Possível descolamento da realidade

Dia 24 de dezembro fui ao shopping para comprar presentes de Natal — como sempre, atrasado. A crise econômica parecia estar distante da realidade de todos mundo: era gente cheia de sacolas de um lado para o outro, praça de alimentação lotada e, para estacionar, outra agrura: mais de 15 minutos procurando uma vaga.

A loja Fast Shop — que, como sabemos, não costuma ter preços muito acessíveis — não parava de fechar negócios. Vendo aquela gente toda saindo dali com eletrodomésticos de última geração, me foi impossível não pensar em como estariam as Casas Bahia. Pena que no shopping onde eu estava não tem Casas Bahia; mas tinha Ponto Frio — que também estava, como diriam os baladeiros de plantão, bombando!

Ontem, por volta de oito meia da noite, cheguei aqui em Itamogi, um pequeno município no sudoeste de Minas Gerais. No supermercado daqui, um estabelecimento de pouco mais de 1.000 m², a euforia não deixava nada a desejar em compração a São Paulo: não faltavam carrinhos cheios de mercadoria. Aqui, a principal atividade econômica da região é a agricultura. A maioria dos moradores vive do que colhe na roça: café, arroz, feijão, etc e tal.

Pelo que notamos aqui e alhures, a crise ainda não chegou para a maioria; seja em uma potência econômica como São Paulo ou em uma cidadezinha rural, como em Itamogi.

Anúncios
Possível descolamento da realidade

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s