Antes de assumir, Obama corteja direita

Da Folha de S.Paulo

Washington para hoje pelo Dia de Martin Luther King, um dos três feriados nacionais americanos em homenagem a uma pessoa -os outros são por George Washington e Cristóvão Colombo. Barack Obama prestará seus respeitos ao líder negro que abriu caminho para sua eleição fazendo serviços comunitários pela manhã.
O principal evento do presidente eleito, no entanto, acontece à noite. É quando ele comparece a três “jantares bipartidários”. Um deles é em homenagem a Colin Powell, que foi do alto escalão dos governos dos republicanos Ronald Reagan e Bush pai e filho e que no final de 2008 apoiou o então candidato democrata. Outro é em torno de John McCain, que até semanas atrás bombardeava Obama em rede nacional.
O democrata Obama chega ao poder amanhã amparado por uma maioria confortável de seu partido na Câmara dos Representantes (deputados federais), mas uma maioria mais apertada no Senado, que por apenas uma cadeira não chegou ao limite à prova de obstrução da oposição republicana, de 60 votos entre os 100.
Ele sabe que para implantar sua agenda ousada de mudanças na rede social do país e aprovar pacotes econômicos de valores cada vez maiores dependerá da boa vontade dessa Casa do Congresso. Não será fácil. Obama planejava assinar a medida que possibilita seu plano já na manhã de amanhã.
Não conseguiu. Numa primeira demonstração de força, membros do partido de oposição embolaram a discussão do plano, e uma previsão otimista vê a aprovação apenas no meio de fevereiro. Desde então, o democrata passou a cortejar abertamente os republicanos.
Na semana passada, passou horas em encontro a dois no gabinete de McCain no Senado. Dias antes, participou de jantar na casa do jornalista George F. Will, do “Washington Post”, com os principais representantes do colunismo conservador do país na qual os convidados degustaram costeletas de cordeiro e beberam vinho.
Dela participaram de Paul Gigot, implacável crítico obamista da página de editoriais do “Wall Street Journal”, a Bill Kristol, que em uma de suas últimas colunas no “New York Times” antes da eleição em novembro sugeriu a McCain que fosse para o vale-tudo, reavivando o elo do rival com o polêmico pastor Jeremiah Wright.
Na saída, segundo relatos de participantes do encontro a que a Folha teve acesso, Obama havia conquistado a plateia. Charles Krauthammer, que escreve para a revista “Time” e aparece no canal Fox News, disse: “Eu queria ter 1% da autoconfiança dele”.

Assinante, leia mais aqui.

Anúncios
Antes de assumir, Obama corteja direita

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s