Tarso nega viés político em operação da PF

Da Folha de S.Paulo

Acusados pela oposição de comandar uma “polícia política” e de instaurar no país um “Estado policialesco”, o ministro da Justiça, Tarso Genro, e o diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, negaram ontem que a instituição atue com viés político.
Eles participaram, a convite, de audiência na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado para falar sobre a Operação Castelo de Areia, deflagrada pela PF no final de março e que apura crimes contra o sistema financeiro e de lavagem de dinheiro supostamente cometidos pela Camargo Corrêa.
A investigação também identificou supostas doações ilegais da empreiteira a políticos e partidos -DEM, PSDB, PPS, PP, PSB, PDT e PMDB foram citados em relatório da polícia, enquanto siglas como PT, PTB e PV ficaram de fora.
Os ataques ao trabalho da instituição partiram de José Agripino Maia (DEM-RN) e Flexa Ribeiro (PSDB-PA), senadores que tiveram seus nomes citados em interceptações telefônicas como beneficiários de supostas doações ilegais da Camargo Corrêa. Quando a operação eclodiu, contudo, eles apresentaram recibos para comprovar as doações.
“Vou querer e preciso de reparação”, disse Agripino. Referindo-se aos questionamentos do senador, Corrêa declarou que o “desconforto do senhor é nosso também”. Tarso afirmou que a reclamação era legítima.

Assinante, leia mais aqui

Anúncios
Tarso nega viés político em operação da PF

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s