URIBE PÕE LULA EM SEU DEVIDO LUGAR

Lula e Marco Aurélio Garcia têm a demência de sair país afora abrindo a boca para falar barbaridades desmedidas. Sim, estes dois senhores envergonham os brasileiros – embora vergonha na cara não seja uma virtude muito notável no, se me permite Sérgio Buarque, homem cordial – a cada frase proclamada diretamente do altar de nossa diplomacia. Querendo ou não, Lula é uma extensão de todos os brasileiros, e nos representa em todos os conclaves no mundo. Suas palavras traduzem, de certa forma, a opinião do Brasil – ou seja, a minha, a sua, a da tua tia e do teu filho que ainda nem sabe quem é o Chapolin Colorado. Às vezes, a democracia resulta nisso: um presidente que se orgulha de ter pouca instrução em um país de analfabetos, e que fala em meu nome as besteiras que bem entende e no lugar que bem lhe aprouver – seja pelo dever do ofício ou por caráter ideológico; na pior das hipóteses, quando o caráter ideológico invade o dever do ofício.

Álvaro Uribe, atual presidente da Colômbia e que goza de amplo respeito e aprovação dos colombianos, nesta semana, soltou os cachorros em cima de Lula. Uribe afirmou “deplorar” a posição lulista sobre o rompimento das relações diplomáticas entre a Venezuela e a Colômbia. Segundo o filósofo Lulovsky, a atual pugna entre os dois países se resume a um mero “conflito verbal”.

Uribe pegou Lula de jeito. Já estava na hora de o presidente colombiano reagir ao show de desfaçatez protagonizado pelo Brasil todas as vezes em que o assunto é o triângulo Farc-Colômbia-Venezuela. Já é mais que sabido os interesses dos narcoguerrilheiros em manter laços estreitos com Hugo Chávez. Na Venezuela, as Farc encontram território para a montagem de abrigo, por exemplo. Além disso, até fornecimento de armas ao grupo terrorista Chávez proveu. O bochechudo enviou umas bazucas do exército venezuelano aos guerrilheiros. Nada disso é suposição minha. Tudo estava documentado no computador de Raul Reyes, o chefe das Farc morto em um ataque da Colômbia em território equatoriano. À época, o que foi que disse Marco Aurélio Garcia sobre o ataque? Trago à memória uma entrevista concedida pelo valente ao jornal francês Le Fígaro (íntegra para assinantes aqui), no dia 5 de março de 2008.

Le Fígaro – Quelle est la position du Brésil sur la tension à laquelle a conduit à la mort du numéro 2 des Farc, Raul Reyes ?
Marco Aurelio Garcia.
Le Brésil condamne fermement l’attaque colombienne en territoire équatorien qui est avant tout une violation de la souveraineté territoriale. Nous invitons la Colombie à présenter ses excuses à l’Équateur. Parallèlement, le Brésil est prêt à tout pour tenter de faire baisser la tension dans la région, qui a atteint des niveaux inquiétants. Le président Lula va recevoir aujourd’hui son homologue équatorien Rafael Correa, et nous avons demandé la création d’une commission d’enquête au sein de l’Organisation des États américains (OEA).
Le Fígaro – Qual a posição do Brasil sobre a tensão que levou à morte do número dois das Farc, Raul Reyes?
O Brasil condena firmemente o ataque colombiano em território equatoriano. Isto é, acima de tudo, uma questão de violação territorial. Nós convidamos a Colômbia a apresentar suas desculpas ao Equador. Paralelamente, o Brasil está pronto para agir de alguma forma a tentar reduzir a tensão na região, que atingiu níveis inquietantes. O presidente Lula receberá hoje [05/03/2008] o presidente equatoriano Rafael Correa, e pediremos a criação de uma comissão de inquérito no âmbito das Organizações dos Estados Americanos (OEA).

Eis aí uma perola produzida por nossa diplomacia: envergonhando o Brasil em um dos mais prestigiados jornais da Europa. O que Uribe deveria deplorar, além da asneira lulística de reduzir a tensão atual a um simples desconforto retórico, é todo o histórico do governo Lula sobre suas afinidades com as Farc. Sim, as há! E a fala de Aurélio ao Le Fígaro é insofismável para comprová-las. Lula, Aurélio e Amorim condenaram o ataque colombiano em território equatoriano, mas não condenam de igual maneira, fazendo alarde na imprensa internacional, os métodos utilizados pelas Farc. Os meios da guerrilha não causam estranheza a Lula e nem a sua patota. Não é de se estranhar. Se vocês clicarem aqui, chegarão ao projeto de resolução da política internacional do PT. Lá, lê-se o seguinte:
A partir da convocatória feita pelo PT, nasceu o que futuramente se chamaria Foro de São Paulo, que ao longo dos últimos 20 anos contou com a participação ativa da Frente Amplio de Uruguai, da Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN) de El Salvador, da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) da Nicarágua, do Partido Revolucionário Democrático (PRD) do México e do Partido Comunista de Cuba, entre outras forças políticas.

Sim, é verdade: o Foro São Paulo – uma espécie de fórum das esquerdas da América do Sul – nasceu por uma iniciativa do PT, e contou com o apoio de gente cujos apreços pela democracia se resumem tão-somente pelos verbetes dos dicionários. O que o texto omite é um outro fato importante, que nos serve de base para delinear por quem o PT tem simpatia: um dos criadores do Foro São Paulo ao lado de Lula e Fidel Castro foi Raul Reyes, o pançudo das Farc. A guerrilha participou das reuniões desta corja por um bom tempo; e quando lá entraram, já matavam e já sequestravam. E qual a posição de nossa diplomacia com relação às Farc? Volto à entrevista do Le Fígaro.

Quel impact aura la mort de Raul Reyes sur la libération des otages ?
Dans un premier temps, j’étais très inquiet, mais les Farc ont dit que sa mort ne remettait pas en cause leur recherche d’un accord humanitaire. […] Je vous rappelle que le Brésil a une position neutre sur les Farc : nous ne les qualifions ni de groupe terroriste ni de force belligérante. Les accuser de terrorisme ne sert à rien quand on veut négocier […].
Que impacto terá a morte de Raúl Reyes para a libertação dos refèns ?
No início, eu fiquei bastante preocupado, mas as Farc disseram que sua morte não morte não influenciará na busca por um acordo humanitário. Eu gostaria de lhes lembrar que o Brasil tem uma posição neutra sobre as Farc: nós não as consideramos grupo terrorista nem força beligerante. Acusá-las de terrorismo é inútil quando se quer negociar […].

Esta aí mais uma boa declaração à qual Uribe poderia demonstrar seu repúdio também. Lula e Marco Aurélio Garcia não consideram terrorista um grupo que mata, rouba, trafica, seqüestra e degola governadores de estado, como vimos recentemente. Acham-se no direito de permanecerem neutros nesse papo. Engraçado é que Lula vai até o Irã meter o bedelho em assuntos nucleares só pra fazer frente aos Estados Unidos, mas se nega a agir com o mesmo arrojo frente aos narcoguerrilheiros.

Não, o rompimento das relações diplomáticas entre Venezuela e Colômbia está longe de ser apenas desentendimentos que se resumem ao campo da conversa. Crer nisso é atingir o auge da patetice. A Colômbia de Uribe condena o apoio explícito que Hugo Chávez dá aos terroristas das Farc, que chega a abrigar 1.500 integrantes da organização em território venezuelano. E é isso que Lula ignora. Este senhor já passou de todos os limites estabelecidos pela a linha tênue que separa a razão da quimera.

Anúncios
URIBE PÕE LULA EM SEU DEVIDO LUGAR

Um pensamento sobre “URIBE PÕE LULA EM SEU DEVIDO LUGAR

  1. Silvia Lakatos diz:

    Leandro, descobri hoje o seu blog (quem indicou para mim foi a Dani). Estou orgulhosa de você. Um dia, quando for um editor de alto escalão, você me contrata?
    Ah, e não deixe de colocar um post sobre o Lulinha Paz e Amor dizendo que não pode se intrometer em leis que permitem apedrejar mulheres até à morte…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s