JOSÉ DIRCEU: NOSSO MAL É MUITA LIBERDADE DE IMPRENSA

José Dirceu ministrou palestra a sindicalistas do setor petroleiro na Bahia. Creio que aquele ambiente dus trabaiadô provocou o valente a exibir seu sui generis de forma inequívoca. Depois de muito falar, o petista deflagrou seu ódio àquilo que Tocqueville aprovava mais pelos males que evita do que pelas vantagens que garante. Lá pelas tantas, soltou: “o problema no Brasil é o monopólio das grandes mídias, o excesso de liberdade e do direito de expressão e da imprensa”. Na mesma ocasião, Dirceu deu como certa a vitória de Dilma – o que abriria uma brecha para que esse democrata exemplar consiga dar mais um passo para acabar com uns dos males mais terríveis da sociedade, como essa tal de  liberdade de imprensa.

Dias atrás, quem enxovalhou a “mídia” foi o ministro da Comunicação Franklin Martins, durante cerimônia de inauguração da TV do Trabalhador. Segundo esse gigante, o surgimento de uma emissora como a do Trabalhador representa uma nova era: a do fim dos grandes “chefões” dos veículos de comunicação. Liberdade, como vemos, causa ojeriza em certas alas do PT.

Uma das coisas mais terríveis que já li encontra-se no livro Moral e Revolução, de Trotsky, que está, sem dúvida, entre os grandes pensadores da revolução soviética. Um dos textos do livro chama-se A Nossa Moral e a Deles. Trata-se, sem dúvida, de um tratado cujo objetivo é tornar o crime algo justificável, desde que atenda a fins de grupelhos. Trotsky deixa claro em suas reflexões que os revolucionários têm licenças que aos outros não são conferidas, pois eles são os únicos detentores da solução que conduzirá a humanidade para um futuro melhor. Colocando-se acima de todos, logo seus métodos não podem ser comparados com os dos homens comuns. É um humanismo anti-humanístico! Ao demonizar a liberdade de imprensa em nome de um suposto projeto superior para o Brasil, José Dirceu aproxima-se mais do que nunca ao trotskismo. Eis a síntese: em nome da nossa (dos petistas) moral, defendemos o fim da liberdade deles (nossa), pois o nosso (dos petistas) projeto para o Brasil é melhor que o deles (nosso).

E depois dizem que persigo petistas. Besteira. Eles que vivem me dando motivos para demonstrar quem são. No campo das idéias, debate-se tudo como se nada fosse tangível, não é mesmo? Pura mistificação. As contumazes ameaças à liberdade de expressão vindas diretamente do quartel general do PT são a prova do verdadeiro projeto que essa gente tem para o País: um totalitarismo emplumado pela ventura das classes emergentes. E é por isso que eles têm figadal ódio da imprensa e, com certa cerimônia, insistem em extirpá-la: pois só uma imprensa livre pode jogar luz nos porões desses valentes e trazer à tona todos os seus acintes.

JOSÉ DIRCEU: NOSSO MAL É MUITA LIBERDADE DE IMPRENSA

Um pensamento sobre “JOSÉ DIRCEU: NOSSO MAL É MUITA LIBERDADE DE IMPRENSA

  1. Leon Brancaleone diz:

    Seria mais honesto CONOSCO, seus leitores, se em sua coluna você adicionasse o vídeo da fala de José Dirceu. Isto, sim, poderia dar lastro ao seu discurso.
    Entretanto e infelizmente para você, a fala dele CONTRARIA COMPLETAMENTE a sua abordagem.
    Uma lástima !

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s